Game of thrones: O melhor episódio da série

Game of thrones e os dragões

Agora sim... os dragões.

Game of Thrones está acabando e é notória a mudança no ritmo dos acontecimentos. Nas primeiras cinco temporadas de Game of Thrones a história não avançava tanto em cada episódio. Eram mais episódios por temporada e havia muito a apresentar ou explicar antes que algo importante acontecesse. Agora, todos sabemos quem é quem e o que está em jogo. Assim, a temporada foi encurtada e nós podemos nos deleitar a cada episódio de Game of Thrones com uma avalanche de acontecimentos impactantes. Um presente bem vindo aos fãs da série que acompanham esses personagens por quase sete anos.

No terceiro episódio de Game of Thrones, que foi ao ar no dia 30/07, houve uma batalha em Jardim de Cima que não foi mostrada. Apenas vimos Jaime Lannister naquele fantástico diálogo com a não menos fantástica Olenna Tyrell em que ele a mata mas não antes de saber da boca dela que foi ela quem arquitetou a morte de seu filho Joffrey.

Agora entendemos porque essa batalha não foi filmada. Economia do orçamento para a batalha quarto episódio. É sabido que é muito caro gravar uma batalha. Assim, a produção de Game of Thrones economizou em uma para nos presentear com essa última. Um adendo quanto ao orçamento: os lobos Stark, por exemplo, apareciam muito na primeira e segunda temporada pois eram filhotes interpretados por cães. Mas para fazer um lobo adulto é preciso de um lobo adulto de verdade e os lobos estão no Canadá. Então, para gravar uma cena com um dos lobos é preciso viajar para o Canadá. Só para uma cena. Por isso os lobos sumiram da história.

Agora voltando para esse incrível quarto episódio de Game of Thrones repleto de momentos importantes. Tem o momento fofo do Jon Snow com Daenerys na caverna em que ele deu uma prova da existência dos caminhantes brancos.

A chegada de Arya em Winterfell mostrou como ela se tornou uma cópia do pai Ned. Reparem no penteado, roupas e postura. E teve a cena de luta/treinamento com a incrível Brienne. Foi incrível ver a menina encarando a soldado gigante de igual para igual sob o olhar encantado da adversária. E o jeito com que Arya se levantou depois de ser golpeada me tirou do sofá.

Tivemos as cenas de reencontro de Arya com os irmãos Sansa e Bran. Mindinho sendo inconveniente como sempre e eu já estava satisteito.

O que eu não sabia é que o que eu já tinha visto era apenas a entrada. O prato principal viria em seguida.

Em Jardim de Cima temos uma interação divertida entre Jaime e o sempre carismático Bron. Eles estão abandonando Jardim de Cima com seus espólios de batalha. Que incluem todo o ouro e toda a comida que vai para Porto Real. Há uma elipse temporal e Jaime é alertado que eles estão em posição vulnerável e não devem perder tempo em retornar para a segurança de Porto Real. Nesse momento Bron ouve um ruído.

Inicialmente não dá para entender o que é, mas eles olham para o horizonte e percebem um gigantesco exército a cavalo surgindo na parte alta do vale. São os Dothraki gritando e bradando sob seus cavalos. Jaime organiza seus soldados para se defender do ataque iminente e é aconselhado a deixar aquela posição para se refugiar longe da frente de batalha. Ele nega e diz que não vai abandonar seus soldados.

Os Dothraki descem a longa distância a toda em seus cavalos e fazem algo que muitos dizem ser impossível (mas não é). Eles sobem em seus cavalos surfando enquanto atiram flechas nos soldados Lannisters quando Jaime diz que seus soldados são capazes de suportar a investida.

Nesse momento surge por detrás dos Dothraki Drogon levando Daenerys e que imagens magníficas. Dessa vez eles capricharam no c.g.i. do dragão e ficou incrível. Aquele dragão imenso planando sobre os Dothraki em um ataque único.

Rapidamente aparece Daenerys de perto para dizer seu famoso dracarys e drogon vomita labaredas sem fim quebrando a linha de frente dos Lannisters por onde os Dothraki avançam. E drogon segue torrando até os ossos os soldados enquanto Tyrion observa de longe assustado com a carnificina e temeroso por seu irmão Jaime que luta como pode com os Dothraki. Os planos de voo do dragão são fantásticos enquanto ele dá a volta para incinerar mais e mais soldados.

Jaime pede a Bron que use o escorpião – a balestra que sersei tem como arma secreta contra os dragões. Jaime não pode manusear a arma, pois só tem uma das mãos. Bron atende e prepara a arma em uma sequencia muito bem montada. Seu primeiro tiro passa raspando a cabeça de Daenerys que localiza Bron e mergulha pra cima dele. Ele prepara seu segundo tiro e aguarda mirando naquele dragão gigantesco que vem em sua direção. Seu segundo tiro atinge o ombro de Drogon que começa a cair, mas não sem controle a ponto de pousar próximo de Bron que foge enquanto drogon pulveriza a arma com suas chamas.

Nesse momento, no chão, Daenerys desce de sua montaria para tentar retirar a lança. Jaime vê a oportunidade de dar fim à guerra matando a mãe dos dragões que está de costas. Ele se arma de uma lança e em posição de justa parte para cima da rainha. Tyrion fica dizendo em voz baixa “não seu idiota. você vai morrer”. Mas antes que ele alcance Daenerys, Drogon se posiciona à frente de sua mãe e se prepara para calcinar Jaime quando alguém (certamente Bron) se lança sobre Jaime salvando e derrubando-o do cavalo sobre a água do rio. Então vemos Jaime afundando incapaz de flutuar com sua armadura e mão de ouro. Assim termina o episódio quatro de Game of Thrones.

Esse foi o mais curto da temporada até aqui e deu a impressão de ser bem mais curto graças à boa edição das cenas. Um episódio magnífico. Foi lindo ver o dragão de perto e de longe. Os Dothraki surfando seus cavalos e foi lindo ver Arya mostrando suas habilidades. Que venha o próximo.

E você, o que achou?
Comentários: 0 CONTINUE LENDO

123

Costela bovina na pressão

0

Esta costela na pressão é ideal para o final de semana. 
Hummm, que delicia!

Tempo de Preparo: 50 min
Rendimento: 04 porções

Ingredientes:

1 kg de costela bovina sem muita gordura (dê preferência) 
200 g de bacon 
6 cebolas grandes cotadas em rodelas 
1 pimentão médio 
1 sachê de "Meu Assado" sabor caseiro (Knorr) - Opcional 
Pimenta de cheiro ou Salsinha a gosto 
Sal a gosto

Modo de Preparo:

1 - Dissolva 1/2 "Meu assado" em 3 dedos de água (copo de 250 ml) formando uma pasta homogênea. 

2 - Tempere a costela com sal e a pasta homogênea e reserve.
    Atenção ao usar o sal: O meu assado da Knorr (opcional), já vem "meio" salgadinho.

3 - Coloque a metade das cebolas no fundo na panela de pressão, fazendo uma camada.

4 - Coloque a costela em cima dessa camada de cebola

5 - Coloque o bacon por cima da costela

6 - Cubra a costela e o bacon com a outra metade das cebolas

7 - Não é preciso colocar água, a cebola e a costela vão soltar muita água

8 - Tampe a panela e leve em fogo médio por 45 minutos ou até que o liquido de dentro dela seque e pronto. Decore com a salsinha.

Para acompanhar você pode optar por:
Arroz branco, farofa ou mandioca e uma saladinha de alface.

Agora é com você!
Beijinhos

Continue lendo este Post »

Ganhe dinheiro vendendo Fudge de Chocolate

0

Vamos ganhar dinheiro vendendo Fudge de Chocolate?

Ele é bem fácil de fazer e só leva 2 ingredientes. É, serio! Somente 2 ingredientes para fazer esse Fudge de Chocolate. Vamos fazer dinheiro? Então confira!

Tempo de preparo: 5 min + 1 hora de congelador
Rendimento: 9 pedaços (quadrados)

Ingredientes:
• 1 Lata (400g) de Leite Condensado
• 300g de Chocolate Amargo (55% pelo menos de Cacau)

Ingredientes Opcionais para saborizar

• Raspas de Limão
• Raspas de Laranja
• Essência de Baunilha
• Nozes/Castanha/Amendoim/Amêndoa
• Frutas Secas
• M&Ms
• Cacau em Pó

Esta receita de Fudge de Chocolate foi preparada por Gui Sato criador e administrador do canal Cooking Pool. Confira a receita abaixo.



Continue lendo este Post »

Dica de filme A Chegada

0



Quem gosta de ficção científica certamente vai, como eu, ter um avc ao fim desse filme.

A trama conta a história de Louise Banks (Amy Adams) que é uma linguista convocada pelo governo americano quando naves extraterrestres chegam ao nosso mundo. Ela se junta ao matemático Ian Donnelly (Jeremy Renner). Isso mesmo: Lois Lane e o gavião arqueiro.

A missão da dupla é se comunicar com os visitantes da nave que chegou aos Estados Unidos. Há outras naves em outros países. Estes tentam a mesma coisa com suas próprias equipes. Para o governo é imperativo entender o que os visitantes querem o mais rápido possível pois os chineses estão fazendo progresso.

Amy faz um bom trabalho na pele da protagonista e Jeremy entrega o seu personagem de sempre, mas não é o desempenho do elenco que faz desse filme um dos dez – talvez um dos cinco mais na minha lista de filmes de ficção científica. O grande diferencial do filme é a direção quase perfeita de Denis Villeneuve. Destaque, também, para o roteiro fechadinho, trilha sonora planejada com esmero e fotografia muito bem cuidada.

Tem os efeitos visuais, é claro. Quarenta e sete milhões de dólares justificam o bom trabalho nos efeitos, mas ainda que fossem ruins, o filme vale cada real gasto no cinema ou no demand.

O filme já começa sem muitos rodeios e logo Louise está abaixo da gigantesca nave alienígena. A partir daí, o filme começa a parecer confuso e a protagonista, que carrega um drama pessoal, tem atitudes que não condizem com uma ficção científica. Mas é tudo parte do todo. No terceiro ato entendemos tudo e quando isso acontece... como eu disse lá em cima... avc. Estou com a perna esquerda paralisada até hoje.

Recomendação máxima. 
Continue lendo este Post »